Aposentadoria: por que não confiar, jamais, no INSS?

Aqui no Vesta, acreditamos que o atual sistema de aposentadoria no Brasil é insustentável.

Na verdade, essa foi a principal motivação para iniciarmos esse projeto: ajudar o maior número de pessoas possível a ter uma velhice digna.

Para explicar os motivos dessa nossa crença, precisamos entender duas coisas:

  1. O sistema previdenciário do Brasil é solidário,
  2. A pirâmide etária da população brasileira vem mudando ao longo dos anos.

Hoje, falaremos sobre isso de forma objetiva. Para isso, por enquanto esqueça suas convicções políticas e não deixe que os sonhos de uma aposentadoria bacana (nós também queremos!) atrapalhem seu entendimento.

Vamos lá!

“Mas eu recolhi para o INSS a vida inteira. Onde está esse dinheiro?”

No nosso sistema previdenciário, existe o chamado pacto entre gerações.

Isso significa que o INSS recolhido por quem está trabalhando é usado para pagar as aposentadorias dos inativos.

Não existe no INSS uma conta com o seu nome, com todo o dinheiro que você recolheu ao longo dos anos.

Esse dinheiro já foi gasto para pagar os proventos de quem estava (ou está) aposentado.

Isso na esperança de que, quando chegar a sua vez, o dinheiro recolhido por quem estiver trabalhando vai ser usado para pagar você.

Por isso, há décadas atrás não se tinha grande preocupação com a previdência. Como a população morria mais cedo e tinha mais filhos, tínhamos mais gente trabalhando do que gente recebendo aposentadoria.

Mas as coisas estão mudando… E aí entram as mudanças na pirâmide etária do Brasil.

Fomos no site do IBGE, e começamos comparando a situação de 1980 com a de 2010:

Comparação entre as pirâmides etárias em 1980 e 2010.

Comparação entre as pirâmides etárias em 1980 e 2010.

Como se vê na figura, a proporção de crianças (os adultos contribuintes do INSS no futuro) está diminuindo, e a de velhos (que irão precisar de aposentadoria) aumentando. Preocupante, não?

Mas vai piorar. No site do IBGE, temos também a projeção da pirâmide para 2050. E olhem como está a situação, comparada com 2010:

Comparação entre a pirâmide etária de 2010 e a projeção para 2050, segundo o IBGE.

Comparação entre a pirâmide etária de 2010 e a projeção para 2050, segundo o IBGE.

Teremos quase o mesmo volume de contribuintes (jovens e adultos que trabalham e recolhem INSS) e de beneficiários (aposentados, segundo os parâmetros de hoje). A conta, obviamente, não fecha!

Por isso o esforço dos governos em alterar as regras para aposentadoria, aumentando a idade mínima. Eles já sabem que do jeito que está não poderá continuar…

Como desarmar essa bomba?

Teremos, basicamente, duas alternativas:

  1. Trabalhar até uma idade avançadíssima, e ainda torcer para que o sistema possa nos sustentar quando já estivermos velhos ou doentes demais para o trabalho (o que certamente acontecerá em algum momento); ou
  2. Começar desde já a economizar e investir nosso dinheiro, de forma que tenhamos uma renda passiva, isto é, uma renda que não depende do nosso trabalho. Essa renda pode vir de aluguel de imóveis, de proventos de ações, de juros de renda fixa ou poupança, enfim.

Me parece que a alternativa 2 é muito melhor no longo prazo… e ela é possível!

Estaremos juntos nesse caminho de bom senso, economia e investimentos, com ferramentas que tornarão nossas vidas mais tranquilas e felizes!

Até a próxima!

Você pode gostar...