Precisamos consumir tanto?

Quanto mais se tem, mais se quer. Carro novo, bolsas, roupas, eletrônicos, maquiagem, sapatos…

Vemos isso todos os dias, ao conversar com colegas de trabalho e amigos, ao ler algumas postagens em redes sociais, no noticiário…

Precisamos de tantas coisas assim?

Sinceramente, pensamos que não. Temos muita dificuldade em entender certas categorias de consumo:

  • Trocas de carro em intervalos curtos, menores que cinco anos, e quase sempre através de financiamento;
  • Roupas de grife, principalmente em infinitas parcelas no cartão de crédito;
  • Baladas em que você paga para entrar e ainda paga caro pela bebida que consome;
  • Restaurantes caros todos os finais de semana.

Essa vida é viável?

shutterstock_94976017

Para a grande maioria de nós, NÃO.

“Ah, mas temos que aproveitar a vida, caixão não tem gaveta… Só se vive uma vez.”

Concordo. Justamente porque só se vive uma vez, devemos aproveitar ao máximo! Experimentar sentimentos, conhecer o mundo, construir laços.

E isso se pode fazer tendo um carro que tenha 5 anos de uso, usando roupas de boa qualidade de lojas não tão famosas e jantando em lugares com preços justos, ou em casa mesmo, junto com a família e os amigos. E, ao mesmo tempo, poupando, construindo um patrimônio e ganhando tranqüilidade e liberdade.

Então, por que gastamos tanto? Por que consumimos tantas coisas de que não precisamos?

Para impressionar os outros.

Ninguém quer ter o carro mais velho do condomínio. As mulheres sentem vergonha de repetir vestidos em festas.

Muitos acham vergonhoso limpar seus banheiros e cozinhar suas refeições… As pessoas nos olham com pena quando dizemos que não temos empregada doméstica ou diarista.

Então todos entram em uma espiral crescente maluca de gastos, que só gera endividamento e sofrimento mental. Não faz o menor sentido!

Pare e observe seus hábitos de consumo. Faça uma avaliação sincera.

Separe as expectativas do “mundo” daquilo que realmente é importante para você, das coisas que lhe dão alegria verdadeira e duradoura.

A tendência é que, aos poucos, você se conheça melhor, consuma menos e com mais qualidade, e seja mais feliz. Verdadeiramente feliz.

Até a próxima!

Você pode gostar...