O que é e como começar uma Reserva de Emergência?

Vamos supor que uma das situações abaixo aconteça com você:

Se você não tem nenhum dinheiro guardado, essas situações podem tirar o seu sono e comprometer seu orçamento.

Mesmo que você consiga utilizar o cheque especial ou o cartão de crédito, ainda precisará pagar essas despesas…

E pior, terá que pagá-las com juros, que são o pior gasto que alguém pode fazer.

Uma maneira de você não ser atingido por uma situação dessas é manter uma reserva de emergência.

O que é a Reserva de Emergência?

É uma quantia de dinheiro que você deve manter disponível para pagar gastos com situações inesperadas, como as que mencionamos no início do texto.

Constituir uma reserva de emergência é a 2ª etapa no nosso processo de Independência Financeira.

Ela é muito importante, porque depois que você alcançou o patamar de gastar menos do que você ganha, um evento inesperado pode acabar incendiando o seu orçamento e te desmotivando de continuar nesse caminho de bom senso financeiro.

Se você ganha 10 reais e gasta 9, consegue economizar 1. Sua vida estará boa nesse momento…

Mas se aparece uma parcela inesperada de 2 reais, ou sua renda de 10 reais não entra, você fica, de repente, em uma situação ruim… Começa o incêndio!

Tendo uma reserva de emergência, você já apaga esse incêndio logo no início. Sem drama e sem maiores efeitos colaterais. 😉

Como começar a construir minha reserva de emergência?

Não existe fórmula mágica: você precisa poupar dinheiro, e de um jeito esperto.

Para poupar de forma inteligente você precisa, antes de mais nada, saber onde o seu dinheiro está sendo gasto agora.

Com esse mapa feito, você pode identificar onde há potencial para poupança. Normalmente, você consegue poupar nas seguintes despesas:

  • Contas de celular/internet;
  • Alimentação fora de casa;
  • Lazer.

Antes de mais nada: não se assuste quando falamos sobre poupar com lazer. Não é para você ficar trancado em casa e nunca mais fazer nada!

Vamos dar um exemplo: você sabe quais as vantagens que a sua operadora de telefonia celular oferece em opções de lazer? A nossa, por exemplo, nos dá 50% de desconto nas entradas em uma grande rede de cinemas… Obviamente que iremos tentar assistir filmes nessa rede, certo?

Fazer uma coisa que a gente gosta é ótimo. Fazer a mesma coisa pela metade do preço é melhor ainda… 😉

Além das operadoras de celular, é bem comum que outros produtos/serviços que consumimos ofereçam vantagens e descontos: planos de saúde, sindicatos, redes de postos de combustível…

E é impressionante o número de pessoas que não sabem que essas vantagens existem! Pesquise, você pode se surpreender! 😉

Sobre alimentação fora de casa: você, às vezes, gasta em torno de 20 reais para comer um PF na rua. Em vez disso, você poderia preparar essa refeição em casa e levá-la em uma marmita (se o seu local de trabalho oferecer condições, claro). Com esse dinheiro, você compraria arroz, peito de frango, ovos e feijão em quantidades que renderiam vários pratos!

Ah, mas 20 reais não é muito…

Talvez, mas se você levar marmita 3 vezes por semana, esses 20 reais viram 240 reais em um mês. Em um ano, quase 3 mil reais! E com 3 mil reais você faz muita coisa!

Outra maneira é utilizar uma técnica para evitar gastos por impulso, como a que apresentamos no post abaixo:

Bem, temos várias outras maneiras de economizar… Falaremos sobre elas em outros posts, fique ligado! 😉

Onde manter essa reserva de emergência?

Bem, não é nosso objetivo dar qualquer indicação de investimentos. Queremos que você possa escolher de forma independente e de acordo com as suas necessidades, com toda a liberdade.

Você não pode esquecer, porém, que a reserva de emergência tem que estar sempre disponível!!

Não estamos falando em guardar dinheiro vivo embaixo do colchão. Mas ela deve estar em um investimento de que você possa dispor sempre, e que não tenha variações negativas de valor.

Várias categorias de investimento podem estar aí: caderneta de poupança, fundos DI e CDBs que possam ser resgatados no mesmo dia (no jargão de investimentos, “D+0”)…

Outras categorias de investimento não se enquadram aí, como as ações e o dólar. O valor desses investimentos varia muito!

Vai que quando você precisa, eles estão em baixa? Além disso, o valor obtido com a venda das ações não cai imediatamente na sua conta…

Não se preocupe muito com a rentabilidade dos investimentos que vão compor a sua reserva de emergência. O mais importante é que eles estejam disponíveis imediatamente. 😉

Ah, e investir em caderneta de poupança não é pecado para quem está começando a guardar dinheiro… Como ela não paga taxas nem tem impostos, pode ser bem útil no começo de seu processo de construção da reserva de emergência. 🙂

Quanto manter na reserva de emergência?

Como em tudo na sua vida, você decide. Mas uma boa regra é manter ao menos três meses de gastos da sua família por lá.

Desse jeito, você consegue cobrir um período pequeno sem salário, ou um eletrodoméstico essencial, ou um remédio mais caro que você ou uma pessoa amada venham a precisar.

Pense nas situações de emergência que já aconteceram com você, e quanto você precisou gastar. Isso pode ajudar você a decidir esse valor.

Ah, ao contrário da maioria da blogosfera de finanças, não achamos que a reserva de emergência deva ser suficiente para pagar 6 meses ou um ano dos seus gastos. Esse é o papel do colchão de segurança. 😉

E gente, e sempre é bom lembrar que querer não é o mesmo que precisar!

Você pode querer muito comprar uma bolsa nova ou algum eletrônico, mas isso não quer dizer que você precise dele! Não vá gastar o dinheiro da reserva de emergência com bobagens, ok?

Para resistir a essas tentações e começar a guardar esse dinheiro, lembre da nossa técnica de converter o custo delas em “vida”. 😉

Bem, assim que você conseguir formar sua reserva de emergência, é hora de começar a inflar seu colchão de segurança! Sua vida ficará bem mais tranquila quando você chegar a esse ponto… e acredite, é possível!

Até a próxima!

Você pode gostar...